Arquivo do blog

Theme Support

comunidade

Unordered List

esporte

Recent Posts

Tecnologia do Blogger.

Colombo

Postagem em destaque

Médicos Sem Fronteiras em Curitiba

Pagina Oficial dos MSF no Facebook Pela primeira vez em Curitiba, a exposição Pessoas em Movimento, de Médicos Sem Fronteiras Brasil...

Pesquisar este blog

Geral

Binho - Aviário

Binho -  Aviário

Flickr Images

Cultura

About us

About us

Flickr Images

terça-feira, 30 de janeiro de 2018

MP-PR recorre à Justiça para que Katia Dittrich seja julgada pela Câmara


Da Gazeta do Povo/Felippe Aníbal
O Ministério Público do Paraná (MP-PR) recorreu da decisão da 2ª Vara de Fazenda Pública de Curitiba, que suspendeu a sessão  http://www.gazetadopovo.com.br/politica/parana/justica-suspende-novamente-sessao-de-julgamento-da-vereadora-katia-dittrich-apiz79dmo3wo5jm144vps2um9 em que a Câmara votaria o relatório final da comissão processante que pede a cassação do mandato da vereadora Katia Dittrich (Solidariedade), conhecida como Katia dos Animais de Rua. A parlamentar foi investigada por quebra de decoro, depois que ex-assessores a acusaram de ter cobrado para si parte do salário http://www.gazetadopovo.com.br/politica/parana/ex-comissionados-acusam-vereadora-de-exigir-parte-do-salario-dos-assessores-a750828pcndgpsde7r6zo3pvb de servidores que estavam lotados em seu gabinete. Katia chegou a ser expulsa do partido, mas conseguiu uma liminar judicial para anular o atohttp://www.gazetadopovo.com.br/blogs/caixa-zero/tj-anula-expulsao-de-vereadora-acusada-de-ficar-com-salarios-do-gabinete-em-curitiba/
A sessão que analisaria o relatório de cassação de Katia foi suspensa pela Justiça a pedido da defesa da vereadora, que argumentou que a comissão processante extrapolou os 90 dias – que correspondiam ao prazo para a conclusão do processo. O prazo se excedeu por causa da forma de contagem: a Câmara levou em conta apenas os dias úteis. A Justiça, no entanto, entendeu que o prazo deveria corresponder a 90 dias corridos – prazo decadencial nonagessimal.
Em agravo de instrumento ajuizado, o MP-PR destacou, no entanto, que a contagem em dias úteis havia sido solicitada à Câmara pela própria vereadora. Ou seja, houve um comum acordo entre Katia dos Animais e os vereadores que integram a comissão processante, em fazer a contagem do prazo, levando em conta apenas os dias úteis.
“A nosso sentir, uma vez convencionado pelas partes a alteração da contagem dos prazos para os procedimentos (defesa prévia, produção de provas e alegações finais) e tendo esta influenciado na contagem do prazo global do processo administrativo de cassação, é justo que se altere, de maneira uniforme, o prazo para conclusão da comissão processante, sob pena de prejuízo para a eficiência do processo”, destacou o procurador de Justiça, Alberto Vellozo Machado, no agravo de instrumento.
Além disso, o procurador aponta o interesse público em que a vereadora seja julgada pela Câmara e destaca que Katia não poderia alegar transcurso do prazo, pois havia sido ela mesma quem havia sugerido que fossem levados em consideração apenas os dias úteis. “À luz da boa-fé, não pode a impetrante [Katia] alegar o transcurso do prazo decadencial nonagesimal, quando foi sua iniciativa para aplicação do art. 219 do CPC [Código do Processo Civil] aos prazos processuais, manobra que previsivelmente acarretaria a ultrapassagem do prazo de 90 dias para julgamento da denúncia”, argumentou o procurador.

O caso

A comissão processante foi instaurada depois que ex-assessores do gabinete da vereadora Katia Dittrich denunciaram que a parlamentar exigia parte de seus salárioshttp://www.gazetadopovo.com.br/politica/parana/ex-comissionados-acusam-vereadora-de-exigir-parte-do-salario-dos-assessores-a750828pcndgpsde7r6zo3pvb  Das seis pessoas que subscrevem a denúncia, duas afirmaram ter repassado valores para a vereadora, duas teriam sido demitidas por se negarem a participar do esquema e as outras são testemunhas. Entre as provas apresentadas, estão dois comprovantes de depósitos bancários, feitos na conta de Katia – um de R$ 1 mil, outro de R$ 5 mil.
Em sua defesahttp://www.gazetadopovo.com.br/politica/parana/katia-dittrich-chora-e-nega-de-novo-ter-ficado-com-salario-de-ex-assessores-cdgmz1i3zc0uos2jzwykcmnqg a vereadora disse que os depósitos correspondiam a empréstimos e ressaltou que é inocente. Ela atribuiu as denúncias a um “complô”http://www.gazetadopovo.com.br/politica/parana/na-mira-da-cassacao-vereadora-diz-que-denuncias-sao-armacao-de-suplente-6fum0rijmxibq70b5uv5w8scn que teria sido articulado pelos ex-assessores e pelo ex-vereador Zé Maria (SD), que é suplente de Katia e que ficaria com a vaga, caso ela fosse cassada. Zé Maria negou envolvimento no caso. 
←  Anterior Proxima  → Inicio

0 comentários:

Postar um comentário

Faça Faculdade Uniandrade

Faça Faculdade Uniandrade
Vem pra Uniandrade

Publicidade

Publicidade

Seguidores