Arquivo do blog

Theme Support

comunidade

Unordered List

esporte

Recent Posts

Tecnologia do Blogger.

Colombo

Postagem em destaque

Médicos Sem Fronteiras em Curitiba

Pagina Oficial dos MSF no Facebook Pela primeira vez em Curitiba, a exposição Pessoas em Movimento, de Médicos Sem Fronteiras Brasil...

Pesquisar este blog

Geral

Binho - Aviário

Binho -  Aviário

Flickr Images

Cultura

About us

About us

Flickr Images

segunda-feira, 12 de fevereiro de 2018

CONFIRMADO - Luciano Huck comprou jatinho de R$ 17,7 milhões com dinheiro do BNDES com juros pagos pelo povo


Os bastidores pergunta quais outras FARRAS realizada no BNDES, Rede de Televisão, Fazendas, Rádios, Postos de Gasolina, centenas de negócios podem vim a tona com o BRAÇO da Lava Jato no BNDES em BREVE? Porque tem gente no Carnaval odiando as matines, reunidos falando mal dos outros com telhados de vidro.  Todos tipos de MEDOS......


CONFIRMADO - Luciano Huck comprou jatinho de R$ 17,7 milhões com dinheiro do BNDES com juros pagos pelo povo

A reportagem publicada na Folha de São Paulo neste domingo confirmou que o apresentador Luciano Huck comprou seu jatinho graças a um empréstimo de R$ 17,7 milhões do BNDES. Segundo a reportagem, o apresentador da Globo comprou o jatinho particular da Embraer em 2013, durante o governo da ex-presidente Dilma Rousseff.

A Folha esclarece que "O financiamento, do programa BNDES Finame (Financiamento de Máquinas e Equipamentos), teve como beneficiária a Brisair Serviços Técnicos e Aeronáuticos Ltda., da qual Luciano e Angelica Huck são sócios, e o Itaú como instituição financeira intermediária".

Os juros do empréstimo, datado de 29 de maio de 2013, foram subsidiados pelo contribuinte brasileiro. Enquanto o cidadão pagava juros de até 14% ao mês para empréstimos imobiliários, Huck conseguiu comprar seu jatinho pagando apenas 3% ao ano, com 114 meses de amortização para o pagamento.

Luciano Huck contou com benefícios extraordinários garantidos pelo governo Dilma. O apresentador contou com juros subsidiados —ou seja, parte do empréstimo era coberta pelo Tesouro, no caso, o povo, já que a correção era inferior aos 6,75% da Taxa de Juros de Longo Prazo (TJLP), usada até o ano passado nos empréstimos do BNDES.

Caso resolvesse comprar seu jatinho hoje, o apresentador da Globo não encontraria tanta moleza. O governo Temer acabou com os subsídios para este tipo de empréstimo e adotou uma nova política com base na TJLP) e equivalente à praticada no mercado, sem ônus para o contribuinte. 

Fonte: Tijolaço http://www.tijolaco.com.br/blog/empresa-de-huck-pegou-r-177-mi-no-bndes-para-comprar-seu-jatinho/

Farra aérea: Doria pegou R$ 44 milhões do BNDES para comprar jatinho!

https://www.conversaafiada.com.br/politica/farra-aerea-doria-pegou-r-44-milhoes-do-bndes-para-comprar-jatinho

Alvaro Dias critica sigilo em operações do BNDES


Segundo ele, a resposta não convenceu e não explicou o porquê os empréstimos deveriam ser sigilosos. O senador destacou ainda que também cobrou justificativas ao presidente do BNDES, durante audiência na Comissão de Assuntos Econômicos.

“Qual a justificativa para concessão de empréstimos secretos a outros países? O presidente do BNDES não conseguiu, em audiência pública, explicar de forma convincente o porque de respeitar a legislação de outros países e, com isso, desrespeitar a nossa Constituição”, disse o senador.

Por fim, o senador Alvaro Dias apresentou projeto para mudar a legislação com o objetivo de extinguir o sigilo bancário nas operações de crédito e empréstimos feitos por instituições oficiais brasileiras, como o BNDES, para outros países.

“Este projeto estava na pauta de hoje da Comissão de Relações Exteriores, e por orientação do governo, foi retirado de pauta por meio do pedido de vistas do senador Eduardo Suplicy. Portanto imaginamos que a Presidência da República está relutando em aceitar a aprovação deste projeto, que estabelece que os empréstimos a países como Cuba e Angola não estão protegidos pelo sigilo disciplinado pela lei que tentamos mudar”, reclamou.

O senador espera que o governo não barre a aprovação do projeto, pois o povo brasileiro tem o direito de saber para onde vai o dinheiro oriundo dos impostos pagos “com tanto sacrifício, de forma direta e indireta”.
“É incompreensível que o benefício dos empréstimos a juros subsidiados pelo BNDES seja estendido a outras nações à custa do sofrido contribuinte brasileiro, que sofre cada vez mais com a precária infraestrutura brasileira”, concluiu o senador Alvaro Dias.

Você vai pagar essa conta: política de subsídios do BNDES deixou rombo de R$ 184 bilhões http://www.gazetadopovo.com.br/blogs/lucio-vaz/2017/06/16/voce-vai-pagar-essa-conta-politica-de-subsidios-bndes-deixou-rombo-de-r-184-bilhoes/


O rombo no BNDES com as obras no exterior


BNDES: O ROMBO é de MAIS DE UM TRILHÃO? (R$1.000.000.000.000,00)
Fala-se muito em rombo do BNDES. Alguns falam em até R$ 1 trilhão a ladroagem do maior banco de fomento do País. Tem ladroagem, sim. Isto não tenho nenhuma dúvida. O MPF investiga a relação incestuosa do presidente do Banco com a instituição BNDES. Também, é de conhecimento público a ascendência do Lula sobre o Luciano Coutinho.
Com relação à relação promíscua entre o Luciano Coutinho e o BNDES, se refere à empresa de consultoria que elabora os projetos de financiamento junto ao Banco. A ex-empresa de consultoria é contratada para ter sucesso no financiamento. A empresa tinha como sócio o próprio Luciano Coutinho até assunção dele como presidente do Banco. Nada há de ilegal, uma vez que o Luciano Coutinho não é mais sócio daquela empresa de consultoria. Mas tudo parece que os atuais sócios são "laranjas" do próprio.
O projeto do Lula tentar criar os maiores "players" brasileiros atuando no mundo com o PSI - Programa de Sustentação de Investimentos, criado por ele no auge da crise financeira mundial em 2009, nada haveria de anormal, se não funcionasse como Bolsa Empresário. Para criar "players" brasileiros, o BNDES emprestou e empresta a alguns poucos privilegiados a juros de 3,5% ao ano, enquanto o Tesouro paga Selic, hoje em 11,75% ao ano, para captar os mesmos recursos.
O Tesouro injetou no BNDES, segundo balanço semestral de 2014, exatos R$ 431,4 bilhões, nominal. Isto é o valor que foi injetado, sem considerar a equalização de juros. No apagar das luzes de 2014, Dilma autorizou injeção de mais R$ 30 bilhões no mesmo esquema do PSI, somando hoje R$ 461,4 bilhões.
Nada haveria de anormal se a injeção do dinheiro fosse na forma de investimento da parte da União. A crítica de analistas econômicos, na qual eu me incluo, é que a injeção de recursos da União está sendo feito em forma de "empréstimos" do Tesouro para o BNDES. O Tesouro capta o recurso no mercado pagando juros Selic e empresta ao BNDES. O empréstimo feito pelo Tesouro no mercado para este fim não entra no cômputo da dívida pública líquida.
Desta forma o dinheiro repassado pelo Tesouro para o BNDES sob forma do PSI, não entra também como despesa da União. Resumindo, os R$ 461,4 bilhões estão na contabilidade do Tesouro e do BNDES como uma espécie de "volume morto". O volume de dinheiro é de responsabilidade, portanto, do contribuinte.
Os principais recursos do BNDES para empréstimos vem do Tesouro em forma de PSI, do FAT, do Fundos PIS/PASEP e do Fundo de Marinha Mercante e de outros fundos constitucionais. No total, considerando o empréstimo do Tesouro, o passivo do BNDES é de cerca de R$ 544 bilhões. Em tese, este é o montante que está no risco do BNDES e em consequência do contribuinte. No entanto, o BNDES, pelo menos em cima do papel está enquadrado nas regras do BIS, banco central dos bancos centrais.
Na coluna de ativos constam como realizável a Curto e Longo Prazo, cerca de R$ 300 bilhões em empréstimos diretos do BNDES e cerca de R$ 217 bilhões em empréstimos com aval dos agentes financeiros. Somado os ativos referentes aos empréstimos alcança R$ 517 bilhões. Ainda na coluna de ativos consta a aplicação, no dia 31 de julho de 2014, em ações das empresas com financiamento no Banco, no montante de R$ 66,9 bilhões e R$ 10,4 bilhões em debêntures.
O problema de tudo isto é que o Patrimônio Líquido do sistema BNDES, incluindo BNDESpar, é de R$ 74,1 bilhões em 31 de julho de 2014. Outro problema grave é com referência à qualidade do crédito de responsabilidade direta do BNDES no montante de R$ 300 bilhões. O crédito referente ao repasse às instituições financeiras no montante de R$ 217 bilhões não tem tanta preocupação. Não se sabe qual é o percentual de "empréstimos podres" dentre os R$ 300 bilhões.
No mercado financeiro, até o engraxate da BMF Bovespa sabe, de duas verdades. A primeira verdade é de que o presidente Lula teria intermediado a negociação de empréstimos do PSI no montante de R$ 300 bilhões, da parte do empréstimo direto do BNDES. Se realmente houve, qualquer 3% daria R$ 9 bilhões de comissionamento para o Lula. Isto merece investigações por parte do TCU e MPF, mas negadas pelo BNDES. Para ser negado acesso às informações para os órgãos de controle da União, é de supor que o "boato" do engraxate deve ser verdadeiro.
A segunda preocupação do mercado é quanto à natureza das garantias oferecidas pelos tomadores preferenciais dos empréstimos do sistema BNDES. Muitos dos empréstimos destinados aos amigos do Lula e do Palácio do Planalto, as garantias são as próprias ações das companhias. São empréstimos no montante de R$ 300 bilhões com alto risco de não receber de volta o empréstimo. Comenta-se que cerca de R$ 100 bilhões é quase como crédito podre. O montante é superior ao Patrimônio Líquido do sistema BNDES.
O rombo só vai aparecer no decorrer dos próximos anos, pois que o financiamento concedido pelo Banco é de longo prazo. Alguns antes, como foi o caso dos empréstimos de R$ 10,6 bilhões concedidos ao grupo OGX. Outra empresa que tem um passivo próximo de R$ 30 bilhões com o sistema BNDES é o grupo JBS/Friboi, a juros subsidiados de 3,5% ao ano. A empresa com dificuldade econômica conhecida no mercado que tem passivo alto junto ao sistema BNDES é a empresa de telefonia Oi. A Construtora Odebrecht, em dificuldade por conta da Operação Lava Jato, tem também tem passivo muito alto junto ao BNDES.
Curiosamente, essas empresas falidas ou em dificuldade financeira conta com o apoio explícito do Lula. Não, Lula não é sócio dessas empresas como comentam, mas apenas intermediário nas operações de financiamentos e refinanciamentos. Digamos, que o Lula deve ter amealhado, no mínimo, R$ 5 bilhões em intermediações no BNDES. Claro, os depósitos estão nas contas, nos paraísos fiscais, por orientação do Henrique Meirelles, principal executivo do JBS/Friboi.
Ufa, consegui fazer o resumo do assunto complexo como este. Será que consegui fazê-los entender? Preocupa, não, se não entender o assunto na primeira leitura. O assunto é para quem tem vivência no mercado financeiro.
Ossami Sakamori, Engenheiro Civil, Foi professor da Escola de Engenharia da Universidade Federal do Paraná. Atua no ramo de construção e mercado financeiro. Originalmente publicado no blog do autor.


←  Anterior Proxima  → Inicio

0 comentários:

Postar um comentário

Faça Faculdade Uniandrade

Faça Faculdade Uniandrade
Vem pra Uniandrade

Publicidade

Publicidade

Seguidores