Arquivo do blog

Theme Support

comunidade

Unordered List

esporte

Recent Posts

Tecnologia do Blogger.

Colombo

Postagem em destaque

TRE-PR e TRT-PR vão ampliar ações de inclusão de pessoas com deficiência

Convênio assinado nesta quinta-feira (11) no TRE-PR prevê intercâmbio de políticas e iniciativas de aprimoramento da acessibilidade ...

Pesquisar este blog

Geral

Binho - Aviário

Binho -  Aviário

Flickr Images

Cultura

About us

About us

Flickr Images

sexta-feira, 15 de junho de 2018

Ministro cita discurso do Senador Roberto Requião (MDB-PR) para embasar a decisão.







O ministro do STF Marco Aurélio Mello, em seu voto sobre condução coercitiva, citou a defesa que o senador Roberto Requião (MDB-PR) fez na quarta (13) da senadora Gleisi Hoffmann (PT-PR). Ela irá a julgamento na Segunda Turma na próxima terça (19).

“Não há moralidade em um sistema judiciário que faz da licença hermenêutica a lei, que acusa, processa e condena segundo a visão de mundo dos juízes”, repetiu Marco Aurélio trecho do discurso do emedebista no Senado. “As palavras são muito oportunas”, disse.
Para Requião, o ministro Marco Aurélio, ao citá-lo, fez uma manifestação clara pela isenção do juiz e respeito à lei.

Vitória da OAB: STF proíbe a condução coercitiva para interrogatórios


Por 6 votos a 5, o Supremo Tribunal Federal (STF) proibiu as conduções coercitivas para interrogatório de investigados ou réus. A decisão proferida na quinta-feira (14/6) é resultado do julgamento das Arguições de Descumprimento de Preceito Fundamental (ADPF) 395 e 444, esta última ajuizada pela Ordem dos Advogados do Brasil (confira aqui o processo). Ambas questionaram a legalidade da prática.
O conselheiro federal Juliano Breda, que preside a Comissão Especial de Garantia do Direito de Defesa da OAB nacional, destacou o empenho da instituição nessa questão. “Foi uma grande vitória do Conselho Federal. O conselho aprovou por unanimidade a propositura da ADPF. A advocacia buscou garantir o respeito à Constituição, em especial ao direito de defesa e às prerrogativas profissionais. Uma decisão que reafirma o compromisso com um processo penal de respeito aos direitos fundamentais do cidadão”, afirmou Breda.

Banalização

A OAB tem criticado a banalização do uso desse instrumento desde 2016. Naquele ano, observou que a medida vinha sendo adotada com exagerado e sem os devidos critérios em investigações como as da Operação Lava Jato. “Uma vitória para a democracia! Todos nós queremos o combate ao crime e a impunidade, mas nos estritos termos da lei. Não vou me cansar de afirmar; não se combate o crime cometendo outro crime”, afirmou o presidente nacional da OAB, Claudio Lamachia.
Confira no site do Supremo Tribunal Federal a íntegra dos votos do ministro Edson Fachin, do ministro Celso de Mello e do ministro Alexandre de Moraes.

←  Anterior Proxima  → Inicio

0 comentários:

Postar um comentário

Faça Faculdade Uniandrade

Faça Faculdade Uniandrade
Vem pra Uniandrade

Publicidade

Publicidade

Seguidores