Arquivo do blog

Theme Support

comunidade

Unordered List

esporte

Recent Posts

Tecnologia do Blogger.

Colombo

Postagem em destaque

Médicos Sem Fronteiras em Curitiba

Pagina Oficial dos MSF no Facebook Pela primeira vez em Curitiba, a exposição Pessoas em Movimento, de Médicos Sem Fronteiras Brasil...

Pesquisar este blog

Geral

Binho - Aviário

Binho -  Aviário

Flickr Images

Cultura

About us

About us

Flickr Images

sexta-feira, 15 de junho de 2018

Ministro cita discurso do Senador Roberto Requião (MDB-PR) para embasar a decisão.







O ministro do STF Marco Aurélio Mello, em seu voto sobre condução coercitiva, citou a defesa que o senador Roberto Requião (MDB-PR) fez na quarta (13) da senadora Gleisi Hoffmann (PT-PR). Ela irá a julgamento na Segunda Turma na próxima terça (19).

“Não há moralidade em um sistema judiciário que faz da licença hermenêutica a lei, que acusa, processa e condena segundo a visão de mundo dos juízes”, repetiu Marco Aurélio trecho do discurso do emedebista no Senado. “As palavras são muito oportunas”, disse.
Para Requião, o ministro Marco Aurélio, ao citá-lo, fez uma manifestação clara pela isenção do juiz e respeito à lei.

Vitória da OAB: STF proíbe a condução coercitiva para interrogatórios


Por 6 votos a 5, o Supremo Tribunal Federal (STF) proibiu as conduções coercitivas para interrogatório de investigados ou réus. A decisão proferida na quinta-feira (14/6) é resultado do julgamento das Arguições de Descumprimento de Preceito Fundamental (ADPF) 395 e 444, esta última ajuizada pela Ordem dos Advogados do Brasil (confira aqui o processo). Ambas questionaram a legalidade da prática.
O conselheiro federal Juliano Breda, que preside a Comissão Especial de Garantia do Direito de Defesa da OAB nacional, destacou o empenho da instituição nessa questão. “Foi uma grande vitória do Conselho Federal. O conselho aprovou por unanimidade a propositura da ADPF. A advocacia buscou garantir o respeito à Constituição, em especial ao direito de defesa e às prerrogativas profissionais. Uma decisão que reafirma o compromisso com um processo penal de respeito aos direitos fundamentais do cidadão”, afirmou Breda.

Banalização

A OAB tem criticado a banalização do uso desse instrumento desde 2016. Naquele ano, observou que a medida vinha sendo adotada com exagerado e sem os devidos critérios em investigações como as da Operação Lava Jato. “Uma vitória para a democracia! Todos nós queremos o combate ao crime e a impunidade, mas nos estritos termos da lei. Não vou me cansar de afirmar; não se combate o crime cometendo outro crime”, afirmou o presidente nacional da OAB, Claudio Lamachia.
Confira no site do Supremo Tribunal Federal a íntegra dos votos do ministro Edson Fachin, do ministro Celso de Mello e do ministro Alexandre de Moraes.

←  Anterior Proxima  → Inicio

0 comentários:

Postar um comentário

Faça Faculdade Uniandrade

Faça Faculdade Uniandrade
Vem pra Uniandrade

Publicidade

Publicidade

Seguidores