Arquivo do blog

Theme Support

comunidade

Unordered List

esporte

Recent Posts

Tecnologia do Blogger.

Colombo

Postagem em destaque

Milhares ouve João Arruda na Rádio Cidade AM 670

https://www.facebook.com/radiocidade670/ A Hora do João começa às 8 horas na Rádio Cidade 670.  Desde que estreou  o grande comunicador,...

Pesquisar este blog

Geral

Binho - Aviário

Binho -  Aviário

Flickr Images

Cultura

About us

About us

Flickr Images

sexta-feira, 29 de junho de 2018

Secretário Julio Cezar dos Reis e a Governadora afinados no Paraná

                                                 Foto Orlando Kissner/ANPr

 O delegado Julio Cezar dos Reis tem 22 anos de carreira na Polícia Civil do Paraná. É pós-graduado em Gestão de Políticas Públicas e em Direito Penal. Delegado primeira classe, já comandou a Divisão Policial do Interior (DPI) e a Divisão Estadual de Narcóticos (Denarc), além das Subdivisões Policiais de Cascavel e de Pato Branco, bem como várias delegacias regionais. Estava respondendo como corregedor de área – Sudoeste. 

O que chama atenção são os relevantes serviços prestados no Paraná em conjunto com a Governadora Cida Borghetti ambos conseguiram uma afinidade administrativa que está fazendo a diferença quando se fala em segurança pública no Paraná. 


1º fase da Operação Esforço Integrado resulta em 83 prisões e quase 2,8 toneladas de drogas apreendidas

Mais de 1,1 mil agentes de segurança pública, além de aeronaves e embarcações, foram empregados no Estado do Paraná durante a primeira fase da Operação Esforço Integrado, que teve início no mês de junho e abrange 139 municípios do Oeste paranaense. 

Nesta sexta-feira (29) a Secretaria da Segurança Pública, juntamente com representantes das forças policiais municipais e federais, apresentaram o balanço da operação. 

As ações da operação foram executadas em cinco frentes: bloqueios terrestres fixos e móveis; patrulhamentos terrestres e fluviais; abordagens e fiscalização de passageiros em aeroportos, portos e terminais rodoviários; acompanhamento e monitoramento de áreas vicinais; e, patrulhamento aéreo, oferecendo segurança e apoio às equipes policiais terrestres. 

“Disponibilizamos um efetivo técnico e extremamente preparado e eficiente das nossas polícias do Paraná para coibir os crimes na fronteira. Aliado às forças de segurança municipal e federal, só tenho que agradecer o empenho pelo resultado obtido que servirá de exemplo para os demais estados do país”, avaliou o secretário da Segurança Pública do Paraná, Julio Reis. 

Durante todo o trabalho policial, 83 pessoas foram presas e oito adolescentes apreendidos. Os policiais apreenderam cerca de 2,8 toneladas de drogas entre maconha, cocaína, haxixe e crack. “As informações colhidas durante a operação vão subsidiar o planejamento de ações futuras como, por exemplo, alimentar investigações da Denarc (Divisão de Narcóticos) que já vem fazendo grandes apreensões de drogas”, disse o delegado Jorge Azor Pinto, assessor do Departamento da Polícia Civil junto ao Gabinete de Gestão Integrado de Fronteira (GGIFron). 

Mais de 24,6 mil pessoas foram abordadas, 14.355 veículos vistoriados assim como 30 estabelecimentos comerciais. Ao todo foram apreendidos 130 veículos, dois ônibus, oito embarcações e 17 carros foram recuperados pela polícia. Doze armas de fogo foram apreendidas pelas forças de segurança, assim como 107 simulacros e 69 munições de diferentes calibres. Os policiais ainda encontraram 530 caixas de cigarro contrabandeados além de outros 1.413 volumes de mercadorias ilegais. 

“As forças públicas do Estado do Paraná estão permanentemente reunidas, se reorganizando, para fazer frente à criminalidade. Estamos trocando informações e realizaremos novas operações para coibir o tráfico de drogas, de armas e pontualmente furtos e roubos de veículos e propriedades rurais”, explicou o Chefe do Estado Maior da Polícia Militar do Paraná, coronel Antônio Zanata Neto. 

“Já estamos nos integrando com o Estado de Santa Catarina e também com o Mato Grosso do Sul e São Paulo, que são estados limítrofes do Paraná. Vamos atuar juntos de forma estratégica, observando a migração dos crimes, para planejar ações conjuntas”, completou Zanata. 

A Operação Esforço Concentrado, deflagrada e coordenada pelo Ministério Extraordinário da Segurança Pública, aconteceu no Paraná e em outros 10 estados do país. E tem como objetivo de reforçar a segurança em toda a área de fronteira combatendo a entrada e saída de drogas ilícitas, armas e diversos outros produtos ilegais. Além disso, a Operação Esforço Concentrado tem como finalidade desenvolver ações conjuntas entre os órgãos federais, estaduais e municipais. Esta operação se soma a outras já em andamento na região de fronteira do Paraná. 

O comandante do Batalhão de Polícia de Fronteira (BPFron), major André Dorecki explicou que o Paraná foi o primeiro estado do país a dar início à Operação Esforço Integrado. “No Paraná, a operação foi a primeira em todo o país, por causa das peculiaridades e a preocupação com a população da nossa região de fronteira”, disse. 

FRONTEIRA: O Estado do Paraná possui 208 quilômetros de fronteira com o Paraguai e 230 quilômetros com a Argentina, abarcando em sua faixa de fronteira uma população de 5,5 milhões de habitantes; há uma estimativa de que ao longo do Rio Paraná e do Lago da Usina de Itaipu haja mais de 300 portos clandestinos, facilitadores para a entrada de produtos ilícitos no Brasil. Diante desse cenário, a intenção desta Operação Esforço Integrado foi aumentar a presença das forças de segurança, por meio de abordagens e bloqueios policiais, prisão de criminosos, prisão de foragidos, maior quantidade de apreensões e recuperação de veículos furtados ou roubados.

Participaram da Operação: a Marinha do Brasil, Exército Brasileiro, Força Aérea Brasileira, Polícia Federal, Força Nacional, Polícia Rodoviária Federal, ANTT (Agência Nacional de Transportes Terrestres), Polícia Militar do Paraná, Corpo de Bombeiros, Polícia Civil do Paraná, Polícia Científica do Paraná, Departamento de Inteligência do Estado do Paraná, Guardas Municipais, Agência Brasileira de Inteligência e Receita Federal.

Confira o resultado da primeira fase da Operação Esforço Integrado no Estado do Paraná: 

  • Pessoas abordadas: 26.682

  • Veículos abordados: 14. 355

  • Estabelecimentos vistoriados: 30

  • Prisões: 83

  • Apreensões de menores: 8

  • Veículos apreendidos: 130

  • Veículos recuperados: 17

  • Ônibus apreendidos: 2

  • Embarcações apreendidas: 8

  • Maconha: 2.766 kg

  • Cocaína: 29 Kg

  • Haxixe: 7 Kg

  • Crack 1 Kg

  • Cigarro: 530 caixas

  • Armas: 12

  • Simulacros: 107

  • Munições: 69

  • Mercadorias contrabandeadas: 1.413


















Foto: Osvaldo Ribeiro/Sesp

_________________________________________________________________________________________________





Cida inaugura em Maringá o sexto Nucria do Estado

________________________________________________________________________________________________


PR comemora desempenho diferenciado na economia, diz jornal Valor Econômico
O Valor Econômico traz uma edição especial sobre o Paraná e diz que o Estado é um ponto fora da curva e comemora um desempenho diferenciado na economia. "Temos uma economia diversificada, que se mostrou resiliente à recessão e capaz de possibilitar ao Paraná sair primeiro da crise", diz a governadora Cida Borghetti ao repórter Domingos Zaparolli.
"Em 2017, enquanto o PIB brasileiro cresceu 1%, a expansão paranaense foi de 2,5%, depois de três anos seguidos de retração. O Estado encerrou o ano passado com PIB de R$ 415,8 bilhões, o equivalente a 6,35% da economia nacional", aponta o jornal ao destacar ainda o recuo do desemprego e o aumento na rende per capita para R$ 1.476 mensais.
O bom resultado paranaense - adianta o presidente do Ipardes, Jullio Suzuki Junior - foi impulsionado pelos desempenhos do agronegócio e da indústria. O Estado é o maior produtor de carnes do país e o segundo de grãos. Em 2017, a produção agropecuária, responsável por 10% do PIB estadual, cresceu 11,5%, com safra recorde superior a 40 milhões de de grãos
Cida Borghetti disse ainda ao Valor que a estabilidade nas regras estaduais, o equilíbrio fiscal e a infraestrutura energética e logística paranaense transmitem segurança e atraem investimentos, o que impulsiona o crescimento estadual. "Garantimos um ambiente propício aos negócios e o investidor percebe", afirma.
Leia a seguir a íntegra da reportagem:
Fora da curva:
O Paraná comemora um desempenho diferenciado na economia. Em 2017, enquanto o PIB brasileiro cresceu 1%, a expansão paranaense foi de 2,5%, depois de três anos seguidos de retração. O Estado encerrou o ano passado com PIB de R$ 415,8 bilhões, o equivalente a 6,35% da economia nacional. Para 2018, a projeção do Instituto Paranaense de Desenvolvimento Econômico e Social (Ipardes) é de crescimento de 2% no PIB estadual.
A taxa de desemprego recuou para 8,3% no fim de 2017 e no primeiro quadrimestre de 2018 foram criadas 36.731 vagas no Estado - 1,43% mais do que no mesmo período do ano passado. No país, a quantidade de jovens entre 15 e 29 anos que nem trabalham nem estudam cresceu 6,7%. No Paraná, recuou 1,33%, para 447 mil pessoas nesta situação.
A renda média per capita domiciliar mensal do brasileiro caiu 1,1% em 2017, para R$ 1.217. Mas a do paranaense cresceu 2,2% e alcançou R$ 1.476 mensais. "Temos uma economia diversificada, que se mostrou resiliente à recessão e capaz de possibilitar ao Paraná sair primeiro da crise", diz a governadora Cida Borghetti (PP).
Julio Suzuki Júnior, diretor-presidente do Ipardes, diz que o bom resultado paranaense foi impulsionado pelos desempenhos do agronegócio e da indústria. O Estado é o maior produtor de carnes do país e o segundo de grãos. Em 2017, a produção agropecuária, responsável por 10% do PIB estadual, cresceu 11,5%, com safra recorde superior a 40 milhões de de grãos. "Com renda melhor, o produtor rural ampliou seu consumo e estimulou o comércio e os serviços", diz.
A indústria, responsável por 25% da economia estadual, cresceu 4,4% em relação ao ano anterior. A boa safra agrícola gerou encomendas de tratores e colheitadeiras, ampliando os negócios no setor de máquinas e equipamentos em 33,6%. Outro utro bom desempenho foi do setor automobilístico. Cresceu 16,4%, em parte por conta do aumento de 55% nos embarques para a Argentina
"O ano de 2017 foi de recuperação após três anos de retração na atividade industrial. Mas agora vemos uma expansão nos diversos segmentos produtivos", diz Paulo Pupo, vice-presidente da Federação das Indústrias do Paraná (Fiep). A expectativa da federação é de uma expansão de 2,5% da indústria em 2018. As exportações de bens de capital cresceram 9% nos primeiros cinco meses de 2018.
A cadeia metal mecânica, principalmente caminhões, tratores, máquinas e autopeças encontra mercado na América Latina. Também há expansão nos produtos de base florestal. A expectativa é exportar US$ 1,3 bilhão em chapas e madeira serrada para atender a construção civil nos Estados Unidos.
Nos cinco primeiros meses de 2018, as vendas internacionais de papel e celulose paranaenses ultrapassaram US$ 434 milhões, resultado obtido com a entrada em operação em 2016 da fábrica da Klabin em Ortigueira, um investimento de R$ 8,5 bilhões. No ano passado, as vendas de celulose no exterior geraram US$ 553,84. As exportações totais cresceram 19,2% e alcançaram US$ 18,08 bilhões - a metade, US$ 9,3 bilhões, veio da indústria. "Este ano a indústria vai superar US$ 10 bilhões em exportações", diz.
Os indicadores fiscais da administração pública também são positivos. Em 2017 o superávit orçamentário foi de R$ 1,97 bilhão. O resultado foi o terceiro seguido, após o Estado ter terminado 2014 com déficit de R$ 3 bilhões em suas contas públicas. O ajuste fiscal que permitiu a sequência de superávits envolveu contenção de despesas e aumento nas tarifas do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS), que subiram de 12% para 18%, e do Imposto sobre a Propriedade de Veículos Automotores (IPVA), que foi de 2,5% para 3,5%.
O ajuste fiscal restituiu a capacidade de investimento do Estado. Entre recursos orçamentários e verbas das estatais Companhia de Saneamento do Paraná (Sanepar), a Companhia Paranaense de Energia (Copel) e a a Administração dos Portos de Paranaguá e Antonina (APPA), o Paraná investiu R$ 12,59 bilhões no biênio 2016 e 2017. Para 2018, a previsão é investir R$ 8,4 bilhões - R$ 4,42 bilhões em recursos orçamentários e R$ 3,98 das estatais.
Do total de investimentos orçamentários, R$ 2,1 bilhões vão para infraestrutura e logística. Melhorias na malha rodoviária estão entre as prioridades. Para o Porto de Paranaguá estão previstos R$ 725 milhões de investimentos até 2020 - R$ 470 milhões para dragagem foram liberados este ano.
O Estado também quer por fim ao seu principal gargalo logístico, o acesso ao porto, hoje feito por rodovia ou por uma centenária descida ferroviária da serra entre Curitiba e Paranaguá, que não comporta o transporte de grandes comboios de vagões. A solução proposta pelo governo estadual é uma ferrovia de mil quilômetros ligando Dourados, no Mato Grosso do Sul, ao Porto de Paranaguá. "Será o maior corredor logístico de alimentos do continente, transportando grãos e carnes dos dois Estados", diz Silvio Barros, secretário de desenvolvimento urbano.
O custo é estimado em R$ 10 bilhões e a ideia do governo estadual é atrair investidores privados para o projeto, cujo edital de licitação está previsto para ser publicado no início de 2019. Já sob um novo governo. "É um projeto de Estado, não de governo. Quem ganhar as eleições terá interesse em manter", diz Barros.
A governadora Cida Borghetti avalia que a estabilidade nas regras estaduais, o equilíbrio fiscal e a infraestrutura energética e logística paranaense transmitem segurança e atraem investimentos, o que impulsiona o crescimento estadual. "Garantimos um ambiente propício aos negócios e o investidor percebe", afirma.
O Paraná contabiliza uma série de anúncios recentes de investimentos produtivos. Em abril, a Volkswagen anunciou um investimento de R$ 2 bilhões na expansão de sua fábrica em São José dos Pinhais. Caterpillar, Mondelez e Electrolux também programam expansão de suas unidades.
No final de 2017, a Renault anunciou a inversão de R$ 750 milhões na expansão e modernização de sua unidade de motores em São José dos Pinhais e em uma fábrica de injeção de alumínio para a produção de blocos e cabeçotes, que já entrou em operação em março. "O Paraná tem posição logística estratégica o que facilita as exportações para o Mercosul, além de mão de obra qualificada", diz Marcus Vinicius Aguiar, diretor de relações institucionais da Renault.
Por Domingos Zaparolli
Valor Econômico
(foto: Jaelson Lucas/ANPr)
←  Anterior Proxima  → Inicio

0 comentários:

Postar um comentário

Faça Faculdade Uniandrade

Faça Faculdade Uniandrade
Vem pra Uniandrade

Publicidade

Publicidade

Seguidores