Arquivo do blog

Theme Support

comunidade

Unordered List

esporte

Recent Posts

Tecnologia do Blogger.

Colombo

Postagem em destaque

Médicos Sem Fronteiras em Curitiba

Pagina Oficial dos MSF no Facebook Pela primeira vez em Curitiba, a exposição Pessoas em Movimento, de Médicos Sem Fronteiras Brasil...

Pesquisar este blog

Geral

Binho - Aviário

Binho -  Aviário

Flickr Images

Cultura

About us

About us

Flickr Images

quarta-feira, 5 de setembro de 2018

Cida transforma ilha que Ratinho Jr prometeu vender em parque estadual


Redação Bem Paraná com assessoria
A governadora e candidata à reeleição, Cida Borghetti (PP), assinou hoje decreto que transforma a Ilha das Cobras, localizada na baia de Paranaguá (Litoral) em uma unidade de conservação na categoria Parque Estadual, com proteção integral de seu ambiente e espaço de pesquisa e educação ambiental. A ilha é a mesma que o candidato do PSD ao governo e adversário de Cida, deputado estadual Ratinho Júnior, vem prometendo vender, caso eleito, como combate ao que ele chama de “mordomias da velha política”. Até 2011, o local era usado como casa de veraneio de governadores.
Com 52 hectares de área remanescente de Mata Atlântica e parada de tartarugas marinhas, o Parque Estadual Ilha das Cobras também abrigará a Escola do Mar, destinada à educação ambiental e à pesquisa. O objetivo é multiplicar o conhecimento sobre as ciências do mar, unindo o saber tradicional Caiçara (conhecimento dos pescadores) à inovação e tecnologia.
Com a assinatura do decreto, começa uma nova etapa do projeto, segundo o governo. “Queremos que o local seja aberto à visitação pública e à educação ambiental dos estudantes do Paraná, além de promover a melhoria das condições de vida e de trabalho da comunidade pesqueira da região e de suas futuras gerações”, afirmou Cida Borghetti.
A governadora lembrou que no início de junho determinou a criação de um grupo de trabalho para estudar uma nova destinação para a ilha. A tarefa ficou a cargo das secretarias estaduais do Meio Ambiente e Recursos Hídricos, da Educação, da Comunicação Social e da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior; Casa Civil; Procuradoria-Geral do Estado (PGE); Sanepar; e o Instituto Ambiental do Paraná (IAP).
A Ilha das Cobras pertence à União e foi necessário aval federal para a constituição do novo parque no local. No último dia 30 de agosto, o Ministério do Planejamento, Desenvolvimento e Gestão enviou ofício ao governo do Estado se posicionamento favorável à criação de uma unidade de conservação na área. Além disso, também renovou a cessão da ilha ao governo estadual para que faça as intervenções necessárias. “Tudo isso foi possível graças ao entendimento do Governo do Estado e da União, que vêm tratando desse assunto há cerca de dois meses, com a criação de um grupo de trabalho específico para este assunto”, disse o secretário de Estado de Meio Ambiente e Recursos Hídricos, Antônio Carlos Bonetti.
O presidente do IAP, Paulino Mexia, disse que partir de hoje, o órgão, que é responsável por administrar as unidades de conservação ambiental do Paraná, vai iniciar um plano de manejo para conhecer efetivamente a biodiversidade da ilha. Mexia destacou que nesta semana já serão liberados R$ 2 milhões do Fundo Estadual do Meio Ambiente (FEMA) para o início do projeto. “Com isso, vamos começar a planejar toda a estrutura de educação ambiental com as condições necessárias para receber o público e os futuros pesquisadores”, afirmou. O IAP administra 68 unidades de conservação, entre parques, florestas, estações e outras categorias.
Segundo o governo, desde a formação do grupo de trabalho criado para a implantação do Parque da Ilhas das Cobras, o processo cumpriu o que prevê a Legislação Ambiental, incluindo a apresentação do projeto em consulta pública aos moradores e comunidade pesqueira de Paranaguá. Nas consultas, foram apresentados dados, informações e esclarecimentos sobre projeto aos moradores locais.
Nesses encontros, segundo o secretário Bonetti, também foi possível esclarecer aos pescadores que as comunidades locais só têm a ganhar com as mudanças. “Afinal a ilha, até então não utilizada e pouco conhecida, passa a trabalhar principalmente com a conscientização das pessoas a respeito da importância de se proteger o nosso meio ambiente”, disse. Os pescadores da região continuarão a ser ouvidos nas próximas etapas do projeto e vão, inclusive, integrar os grupos de discussões.


←  Anterior Proxima  → Inicio

0 comentários:

Postar um comentário

Faça Faculdade Uniandrade

Faça Faculdade Uniandrade
Vem pra Uniandrade

Publicidade

Publicidade

Seguidores